ESTE BLOG VISA A DIVULGAÇÃO DA DOUTRINA DOS ESPÍRITAS DAS RELIGIÕES ALLAN KARDEC, UMBANDA E CANDOMBLÉ .
TODAS AS POSTAGENS AQUI NÃO TEM A INTENÇÃO DE INFLUENCIAR NINGUÉM EM SUA BUSCA RELIGIOSA. QUE ESTE BLOG SIRVA DE PESQUISAS, BATE PAPOS E TROCA DE IDÉIAS...

Umbanda Campinas tem objetivo de divulgar endereços de Centros de Umbanda e Centros Espírita e Centros (roças) de Candomblé.
Abrimos espaço para a divulgação de Centros, seja de Umbanda Candomblé, Centros Espíritas Allan Kardec e Centros de Quimbanda, matérias e artigos.
Aqui está o maior Blog do interior do Estado de São Paulo, localizado na cidade de Campinas-SP.
aqui você pode divulgar suas informações coisa tudo sobre as religiões Afros Brasileiras e também coisas sobre o Kardecismo.
Bom, aqui há vários artigos de umbanda para aprimorar e conhecer mais sobre Umbanda e Candomblé , além disso o Umbanda Campinas tem rádio no Blog e Sala de bate Papo para nós comentarmos Sobre esse Assunto Das Religiões Espíritas de Campinas.

Arquivos do blog Umbanda Campinas

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Dança das Iabás no Xirê (5ª Parte)


A dança de Obá desenvolve-se, quase o tempo todo, com uma das mãos cobrindo a orelha, geralmente mão e ouvido esquerdo. O motivo desta atitude corporal, relaciona-se a uma das suas lendas, a mais conhecida no Brasil. O mito relata que Obá, por influência de Oxum, cortou a sua própria orelha para colocá-la em um prato oferecido a Xangô, como forma de manter o casamento que corria o risco de rompimento. Esta posição é ainda mais evidenciada por uma inclinação acentuada do corpo para o lado em que segura a orelha, desta forma o gesto de segurar a orelha fica fixado e evidenciado pela postura inclinada.
Nesta movimentação, observa-se um corpo que se move de forma inclinada, apresentando ainda giros para este mesmo lado. A ênfase da ação fica ainda mais evidenciada pela transferência do peso que fica em cima da perna correspondente à orelha tapada pela mão. A expressividade deste movimento é marcada por um tempo desacelerado e de fluxo controlado; o executante encolhe seu corpo, curvando-se côncava e lateralmente para baixo, encolhe-se no espaço para este lado.
Outra movimentação característica é se locomover para a frente, mantendo o polegar de uma das mãos encostado e à frente do indicador da outra mão. Este gestual pode ser associado ao seu lado guerreiro, presente em vários mitos deste Orixá, como se estivesse empunhando uma arma, afinal, Obá é considerada um Orixá feminino enérgico, é a rainha que ataca galopando de pé no cavalo. Sua dança, assim como o Orixá, revela uma alternância característica, através da corporalidade que, ora curva-se enganada por uma insinuação ardilosa da sua rival, ora empunha uma arma à frente do seu corpo, pronta a guerrear. Esta dinâmica corporal pode ser alterada caso haja no mesmo momento uma Oxum incorporada, segundo Verger…”os dois Orixás sempre querem brigar e é preciso apartá-los”(2000,404).
As danças de saída do Xirê têm como função preparar o corpo para a volta ao cotidiano, o movimento vai se tornando menos amplo e codificado. Observa-se que a técnica corporal utilizada objetiva a transmissão e conservação da memória do grupo, de acordo com a sociedade em que vivem. Esta prática propicia a difusão e perpetuação da sabedoria ancestral. Além da transmissão oral, existe também a técnica corporal, onde o aprendizado se dá através do procedimento prático, do concreto para o abstrato; através da observação de danças, rituais, desde criança, ou, desde a iniciação, integrado à rotina de vida da casa, onde todo este conjunto de ações e aprendizados vão moldando o fiel na sua relação com o mundo.

Nenhum comentário:

Atenção!

O Artigo Que você Clica Irar Aparecer La em Baixo !

Sala De Bate Papo Umbanda Campinas